Grupo Corpo - Obras - Parabelo
Obrasfundo_1
Loading
capa_parabelo

coreografia: Rodrigo Pederneiras

música: Tom Zé e Zé Miguel Wisnik

cenografia: Fernando Velloso e Paulo Pederneiras

figurino: Freusa Zechmeister

iluminação: Paulo Pederneiras

MENU

coreografia: Rodrigo Pederneiras

música: Tom Zé e Zé Miguel Wisnik

cenografia: Fernando Velloso e Paulo Pederneiras

figurino: Freusa Zechmeister

iluminação: Paulo Pederneiras

Escrever na língua nativa a palavra balé (assim, com um ele só e acento agudo) tem sido a busca consciente e obstinada de Rodrigo Pederneiras desde o antológico 21, de 1992. A inspiração sertaneja e a transpiração pra lá de contemporânea da trilha composta por Tom Zé e José Miguel Wisnik para Parabelo, de 1997, permitiram ao coreógrafo do Grupo Corpo dar vida àquela que ele mesmo define como a “a mais brasileira e regional” de suas criações.

De cantos de trabalho e devoção, da memória cadenciada do baião e de um exuberante e onipresente emaranhado de pontos e contrapontos rítmicos, emerge uma escritura coreográfica que esbanja jogo de cintura e marcação de pé, numa arrebatadora afirmação da maturidade e da força expressiva da gramática construída ao longo de anos pelo arquiteto de Missa do Orfanato e Sete ou Oito Peças para um Ballet.

A estética dos ex-votos de igrejas interioranas inspira Fernando Velloso e Paulo Pederneiras na composição dos dois painéis, de 15m X 8m, que dão sustentação cenográfica ao espetáculo.
Com a intensidade das cores velada por um tule negro e revelada somente no espaço exíguo e imperativo das sapatilhas, a figurinista Freusa Zechmeister cria o jogo de luz e sombra que veste os bailarinos na primeira parte de Parabelo, enquanto na reta final e explosiva do balé as malhas se libertam do véu, alardeando a temperatura jubilosa e alta de suas cores.

parabelo    1997
MENU
MENU